onselectstart='return false'>

#contos

O Conto do Conto



Vou contar um conto de um homem que queria escrever um conto, mas ele não sabia por onde começar, pensou muito sobre vários temas, então chegou à conclusão que iria escrever sobre si mesmo, porém dando nome fictício a seu personagem.
Seu nome é Ângelo Rios Limeira, um rapaz não tão vivido, mas conhecia alguma coisa útil da vida,  tem bom gosto musical e além disso é um bom leitor nas horas vagas, certo dia ele pegou um papel e assim começou seu conto de si...
“Numa noite de lua amarelada no pináculo do enegrecido céu estrelado que parecia mais um teto abobadado e as estrelas mesmo paradas pareciam dançar conforme a música que estava nos ouvidos de Gelo”. Este era o nome do personagem que criara
Neste momento ele para pra ler o que escreveu, gostou do primeiro parágrafo e assim deu continuidade ao conto...
“Seu caminhar firme e calmo o fez pensar em muita coisa em que vivera suas dores, seus risos, tristezas e alegrias, seus romances quebrados com o tempo e até aqueles platônicos. Pela noite a fora seus olhos cast “
Dessa vez deixou o parágrafo incompleto e reescreveu para que soasse melhor...
“Seu caminhar firme e calmo o fez pensar em muita coisa em que vivera suas dores, seus risos, tristezas e alegrias, seus romances quebrados com o tempo. Pela noite adentro observava os passos das pessoas e se questionava como seria a vida de cada uma delas, mas já que não tinha resposta decidiu apenas prestar atenção na paisagem”.
Ângelo nem sabia o que escrever, ele queria que seu personagem fosse alguém mais forte e seguro de si, assim como todo escritor deseja ser como o ser que cria, com Ângelo não era diferente.
Decidiu não escrever mais, fechou o caderno e foi fazer um café. Passaram-se dias, enquanto vivia sua vida acabou esquecendo daquilo que deveria ser um conto. Certa vez ele pegou seu caderno novamente e começou a reler o que tinha escrito tempos atrás. Resolveu terminar o conto desta forma...
“Numa noite de lua amarelada no pináculo do enegrecido céu estrelado que parecia mais um teto abobadado e as estrelas mesmo paradas pareciam dançar conforme a música que estava nos ouvidos de Gelo. Seu caminhar firme e calmo o fez pensar em muita coisa em que vivera suas dores, seus risos, tristezas e alegrias, seus romances quebrados com o tempo. Pela noite adentro observava os passos das pessoas e se questionava como seria a vida de cada uma delas, mas já que não tinha resposta decidiu apenas prestar atenção na paisagem e continuar a viver a sua vida de forma simples e feliz”.

Ângelo já não queria ser igual ao personagem que criou ou a qualquer outro que poderia criar, ele fez o contrário, fez com que seu personagem fosse igual a ele, com defeitos e virtudes como todo ser humano é e decidiu fazer um novo café. 
Die Engel Singen



No norte de Nuremberg havia uma pequena cidade chamada Die Engel Singen, em uma pequena casa perto das florestas geladas morava Theodor um jovem poeta que vivia com sua pequena familia, ele tinha 22 anos quando foi ao centro de Nuremberg e viu pela primeira vez a jovem Helene passeando com seus pais pela cidade.
Ela estava vestida em um vestido negro com fitas e um chapéu que cobria seu rosto e mostrava apenas a parte de sua boca,deixando escondida  a sua beleza que era encantadora.
Ele a observou passar pela rua encharcada de orvalho da manhã e assim se apaixonou só de vê-la caminhar.
Em um outro dia,dessa vez num domingo,ela foi novamente com seus pais para assistir a uma ópera e Theodor foi convidado pelo seu tio  Klaus para assistir também no teatro municipal,ele estava sentado  há duas fileiras atrás da que Helene estava e mal sabia disso,mas quando ela olhou pra trás e que o viu seus olhos brilharam tão fulminantemente que seu coração acelerou do nada.
Passando os dias quando ele estava vendendo legumes na feira,ela passou para ir à escola e o viu em sua pequena barraca e foi perguntar se havia algo para que ela pudesse comprar  com a desculpa  só para observá-lo de perto.
Chegando na barraca eles puderam se falar um pouco,se apresentaram, se apaixonaram.
E todos os dias eles se viam e conversavam cada vez mais e cada vez mais se conheciam,em uma tarde de quarta-feira eles marcaram de se encontrar no parque da cidade,onde tinha árvores centenarias e cisnes brancos no lago de águas esverdeadas.
Um contando ao outro sua história,suas tristezas e alegrias,desejos e conquistas e assim eles acabaram se beijando dando inicio a uma bela história destas que só podem ser vistas nos romances.
E tudo foi acontecendo da forma mais bela porém a distancia entre os dois era uma barreira para ser vencida sendo que eles moravam em cidades diferentes e um pouco distantes,Helene deseja muito que Theodor estivesse mais próximo dela e ele também desejava mais que tudo na vida.
Certa vez os pais de Helene deram uma grande festa para todas as familias mais importantes da cidade e nesta festa estava a familia Columbus uma familia muito importante do sul do páis que acabara de se mudar,quando os anfitriões da festa foram dar as boas vindas aos recém chegados.
Enquanto Helene conhecia os novos moradores da cidade,Theodor estava deitado em sua cama imaginando quão bela ela estava e desenhava seu rosto no ar e escrevia rimas aleatórias pois seus pensamentos só gritavam um nome: Helene.
Semanas depois ainda estava nos lábios transeuntes o sucesso da festa dada pelos pais da pequenina apaixonada e também curiosidades sobre os Columbus.
E quase todos os dias o casal apaixonado se viam,trocavam confissões de amor e planejavam o futuro,como seria o nome dos filhos,quantos seriam e com seria a casa que passariam o resto de suas vidas juntos.
Porém os pais de Helene juntamente com o casal Columbus estavam planejando o casamento de seus filhos,Andrius Columbus era o filho mais velho da familia e ele se encantou com a menina com olhos da cor da tempestade.
Ao saber dessa história os novos apaixonados não gostaram muito menos Theodor,por saber que o amor de sua vida estava sendo prometido para um outro homem,mas o que eles não sabiam era que esse casamento era também algo relacionado com os negócios das duas familias pois eles estavam prestes a formalizar uma sociedade das empresas de algodão que eram as maiores do país.
Os dois planejaram em fugir,para outra cidade que ninguém os conhecia para que pudessem vivenciar seu amor e concretizar todos os planos  que tiveram desde aquele dia no parque.
Mas o pai de Helene,já desconfiara do romance dos dois,pois não apenas uma vez ao passar de carro para ir à sua empresa vira os dois conversando com olhares apaixonados e por ver que o jovem que sua filha se apaixonara não fazia parte da nata social de Nuremberg ele decidiu acabar de vez com esse romance que estava cada vez maior.
Ele já não deixava sua filha andar sozinha, ela tinha que estar sempre acompanhada e tudo que fazia era relatado a ele,ela vivia um pesadelo que não conseguia e não sabia como se livrar.
Dias passam e sua mãe informa a data do casamento de Helene e Andrius para o desespero de Theodor.
Ele pensou em diversas possibilidades para que isso não pudesse acontecer mas na segunda semana do mês de janeiro estava sendo preparado todas as coisas para o casamento e a união das familias e consequentemente a união das empresas,que era o principal foco deste casamento.
O amor foi trocado pela ganância da riqueza;
E assim o casamento foi realizado e Helene e Andrius finalmente estavam declarados marido e mulher oficialmente.
Foi o pior dia da vida do jovem Theodor,o dia que viu o amor da sua vida sendo entregue para uma outra pessoa que ela mal conhecia.
Os novos casados partiram de Nuremberg para uma outra cidade no noroeste do país e hoje casados estão planejando seu futuro.
E a vida prega novamente uma peça, o que já estava praticamente pronto foi destruído para que nascesse um outro começo em um outro lugar e com uma outra pessoa.
E Theodor ainda não esqueceu o amor de sua vida,Helene dos olhos da cor da tempestade,atualmente  ele é um poeta consagrado onde pode ser encontrado em cada letra,palavra e frase o amor que ele sente por Helene.
Ela por sua vez,ainda não esqueceu Theodor e imagina como o seu jovem amor está e com quem está,pois o que sentiram foi tão forte que ainda não foi apagada a chama dentro dos seus pequenos,frágeis e apaixonados corações.
Atualmente Theodor publicou uma livro chamado “Die Engel Singen“,contando como conheceu o amor da sua vida,o inicio o meio e a eternidade de sua história.


Die Engel Singen (II)





Após dois anos da publicação do seu livro, Theodor resolveu dar um novo sentido à sua vida, não queria ficar mais em Nuremberg, pois aquela cidade já estava pequena para ele e já não se sentia bem, depois de tudo que aconteceu e que viveu lá.
Ele procurou sair sem destino, mas resolveu seguir sua vida no Brasil e assim se despediu de seus pais e de toda a sua família para ter uma nova vida e oportunidade em um país que nada conhecia, somente por cartas que sua amiga Samara, a qual ele conhecera quando ela estava de passagem por Nuremberg no dia do lançamento do seu livro, já que Samara gostava muito de ler resolveu aparecer para comprar um exemplar, depois deste dia eles trocavam cartas e nelas falavam como estavam e como seguiam suas vidas. Depois de cartas e cartas, sorrisos e lágrimas, pois os dois se tornaram confidentes e já que Theodor estava cansado demais daquela vida que estava levando e queria sair daquela cidade, ficou curioso em apreciar com os próprios olhos a beleza que Samara tanto lhe falara e também pra revê-la.
Assim ele partiu e foi ao encontro da sua mais nova amiga, chegando lá os dois se abraçaram fortemente que quase não se largaram e então eles foram passeando por alguns lugares da cidade, numa praça com luz branca os dois sentaram naqueles bancos antigos e Theodor lhe contou tudo que passou por causa da Helene e como estava tentando superar tudo aquilo, Samara, passou a mão em seu rosto e disse que ficaria tudo bem e ele sorriu, pois confiava muito nela, os dois passavam tempos e tempos juntos, parecia que já se conheciam há muito mais tempo,como se fossem amigos de infância apesar de que Theodor era um pouco mais velho que Samara,mas mesmo assim os dois se apegaram tanto que a amizade começou a ficar bem mais forte e o tempo  que ficaram juntos ajudou bastante para fortalecer.
Passando-se alguns anos, Theodor publica mais uma obra de sua autoria, dessa vez com o título de “Horas passadas não voltam jamais” desta vez neste livro falava de tudo que viveu quando chegou ao Brasil e Samara lhe ajudara muito na composição desta nova obra e novamente foi um sucesso como o seu primeiro livro que publicara na Alemanha anos atrás, não percebendo, Samara começava a nutrir um sentimento além da amizade, porém Theodor não tinha o mesmo sentimento por ela (não naquele momento), mas começou a perceber a mudança em Samara, porém ele sentia certo receio, pois não estava certo se realmente ela gostava dele, podia ser algo da sua mente apesar de querer que fosse verdade e assim deixou o tempo passar e não falou nada, esperando que tivesse certeza daquilo tudo, certo dia ele estava em seu escritório vivendo sua rotina e algo passa por sua mente, sem falar em seu coração, ele percebe que também gosta da Samara, mas passara tanto tempo que ele percebeu que ela o amava e o receio de receber uma resposta negativa pairou como nuvens cinzas sobre sua mente e tentou mostrar de tantas formas que não deram certo,tentou tirar algo dela mas ela sempre não dava chances de que ele descobrisse,mas certo dia ele pensou que somente poderia saber se ela o amava ainda ou não, fazendo uma simples pergunta cara a cara, certo dia a noite eles se encontraram novamente,como antes pra sair durante a cidade e comer alguma coisa e durante o jantar ele falou tudo que sentia por ela,que não percebia e que agora realmente a amava de verdade,Samara não esboçava nenhuma reação,apenas escutava tudo que Theodor tinha pra dizer e escutava com toda atenção.
Ele falou realmente tudo que sentia por ela e então calou-se e os dois ficaram mudos e o silêncio transformou aqueles segundos  em  eternidade,mas Samara se manifestou e começou a falar de tudo   que ela sentia  e desde o momento que começou a se apaixonar por Theodor, o quanto se achou despercebida,pois ele falava muito de outras garotas para ela e ela para não ficar sofrendo teve alguns  pequenos romances que não demoraram muito tempo mesmo por que, ela não se dava muito a estes romances pois ela realmente amava o Theodor.
Enfim, ela expressou tudo, desde o dia que o encontrou em Nuremberg, das cartas que recebera e que enviara, Theodor apenas escutava, mas por dentro uma mescla de angústia e ansiedade estava  crescendo pois ela ainda não falava se a resposta era sim ou não,depois de tudo que ela falou,um leve sorriso ia crescendo em seus lábios e finalmente ela disse que acreditava no que ele tinha dito e que o que sentia por ele não tinha morrido apenas adormecido esperando  o momento certo para despertar de uma só vez e naquela noite a chuva de outono começou a cair  e assim aconteceu o  que os dois  há muito esperavam,seu primeiro beijo,o primeiro beijo de muitos outros beijos apaixonados e  assim eles saíram naquela noite chuvosa deixando  que seus corpos fossem completamente molhados pelas gotas frias que caía do céu enegrecido.
Atualmente Theodor é professor de uma famosa universidade brasileira, ele ensina literatura e ainda escreve para um periódico que ele fundou, Samara está trabalhando com fotografias, ela fez muitos trabalhos importantes e é muito requisitada, está sendo uma das melhores do país, os dois vivem juntos, casados, felizes e ainda com a mesma paixão daquela noite chuvosa, o amor que sentiam um pelo outro crescia cada vez mais e finalmente Theodor esqueceu-se de Helene, apesar do amor por ela ter sido forte, o que sente por Samara é muito maior do que qualquer coisa que já sentira na vida,enfim Theodor encontrou quem ele procurava e a alegria que sente por estar ao lado de Samara é inimaginável,ele não tem mais noticias da Helene mas espera que ela esteja bem, pois ele está melhor do que esperava com seu novo amor.Samara.


 Die Engel Singen (III)



Esse seria o final perfeito para a vida de Theodor, se não houvesse um pequeno e importante detalhe.
Era verão, porém não parecia, pois a neve ainda impregnava as ruas de Nuremberg, ansioso pela sua partida e também triste pelas pessoas que deixaria em sua cidade natal, sua família principalmente.
Theodor deu umas voltas no centro da cidade, só para poder sentir pela última vez o cheiro e respirar o ar de sua querida terra.
Apesar de ser verão e a neve impregnar as ruas, muitas vezes havia tempestades fora de seu tempo invadia os céus alemães com toda sua impetuosidade, pintando de cinza o que era azul.
Theodor arrumou sua mala, não precisava de muita coisa, pegou apenas o que era importante, roupas, livros, seus sonhos e desejos.
Ele tinha posto uma fotografia de Helene, a qual encontrara em uma nota na coluna social do jornal local, nela Helene parecia feliz ao lado de seu esposo Andrius. Theodor recortou a foto e ficou observando o rosto dela,imaginando como seria, mas como em um estalar de dedos, voltou a si e percebeu que ela já não fazia mais parte de sua realidade,ele estava feliz também e com uma viagem a fazer,para um lugar que malmente conhecia e encontrar uma pessoa que lhe fazia muito bem.Samara.
A tarde chegara mansamente como uma brisa ao tocar o rosto de uma estátua e o sol mostrou-se mais ousado e iluminou com mais força toda cidade, o vôo que Theodor iria pegar seria às 15h09min, com escala no Chile e depois iria para o Brasil.
Chegando à hora da partida, ele abraçou sua mãe, seu pai e deu um beijo na testa de sua irmã, seu tio Klaus apertou-lhe a mão e disse: Não vá se perder por ai, garoto.
Theodor apenas sorriu e pôs a caminhar com passos curtos e cabeça curvada, ele sabia que não os veria por tão cedo, que possivelmente não os veria mais e foi exatamente isso que aconteceu...
Chegando ao Flughafen Nürnberg, o saguão não estava tão movimentado, havia poucas pessoas esperando para chegar ao seu destino.
Após vinte e três minutos de espera, Theodor ouve o numero de seu vôo como se estivesse chamando seu próprio nome, ele estranhou, mas não se deixou levar por aquilo.
O avião deslizava no ar como um pássaro, o céu estava maquiado pelas nuvens que dançavam ao sabor do vento e os olhos negros de Theodor fecharam-se em um leve adormecer.
Havia gritos e malas por todos os lados, choro de crianças ecoava de poltrona em poltrona, o céu foi banhado de tinta cinza, como se algum pintor não se agradasse de sua obra de arte e cobriu sua pintura por puro desgosto e o vento que antes estava tão suave irou-se de tal maneira que fez com que o avião se balançasse de forma brusca fazendo perder a altitude, Theodor acordou com o susto.
O capitão do avião pedia calma, mas naquela situação ninguém se acalmaria,menos Theodor que estava confiante em seu destino;
Um raio atinge a asa direita do avião e o motor logo solta seu ultimo suspiro e queima após uma explosão, não acreditando no que via o jovem alemão logo se ver perdido longe de casa, longe de sua família, longe de Helene e da própria Samara a qual estava à sua espera.
A aeronave beija o oceano com força e o oceano em sua fúria a engole devagar...
Poucas horas depois os noticiários de todo o mundo informam este trágico acidente e a Alemanha fica de luto por perder um filho ilustre e o Brasil lamenta por não abraçá-lo.
Todos ficaram atônitos pelo ocorrido, principalmente Samara que estava louca esperando a chegada de seu mais novo amigo.
Atualmente Samara está trabalhando com fotografias, ela fez muitos trabalhos importantes e é muito requisitada, está sendo uma das melhores do país.
Em Nuremberg o governo fez um busto do pequeno sonhador em homenagem a Theodor na praça central em frente à Biblioteca de Nuremberg a qual foi fundada dois anos antes da morte de Theodor.



O Encontro dos Anjos - Meu Eterno Anjo (Parte I)



Novamente ela vem, para, continua parada, olhando com aquele mesmo olhar,
Olhar lúgubre, o olhar que me faz refletir.
Sua palidez que me envolve, laços dantes nunca tidos, seus cabelos sobre a face, escondendo as lagrimas que rolam, senti-me incomodado, dei alguns passos e a abracei, sua pele fria encharcada pela fina chuva que caia sobre nossos corpos.
As nuvens pairavam sobre nossas cabeças, os ventos gélidos tocavam em nossas roupas... Aqueles ósculos que durante muito tempo não os sentia, o tempo parecia que não corria, apreciei aquele monumento que diante de mim estava... sorri
Aquele vestido branco, seus lábios lívidos... Dúbio, pensei que era sonho,
Nem dei conta que a lua aparecia como uma foice dourada cortando o céu dissipando todas as nuvens.
Mas eu queria contar-lhe mais... Você quer saber?
Seu nome não me é digno de contar, aqueles olhos, que olhos!
De sua linda boca apenas ouvi uma frase: ”Voltei, pois você me faz esquecer das minhas insanas lembranças”, lembranças das quais não ousei perguntar-lhe.
Vi as trevas em seus olhos e pude sentir sua dor, dor que tão profunda era, senti dentro de mim... Chorei
Beijei aqueles lábios gélidos e lívidos, senti o calor daquele corpo frio e voluptuoso.
Adormeci, ela envolvida em meus braços, acordei e ela continuava lá, linda e lúcida.
A luz do sol refletia e lembrava-me da noite e do s cantos dos corvos que era uma verdadeira serenata na escuridão, então acordou, olhou-me e simplesmente sorriu e disse-me algo que jamais esquecerei: ”Meu anjo, saibas que estás em meu coração e te quero muito bem e você é o único que pode me entender”. Tais palavras me comoveram, jamais esquecerei esse dia, o dia que reencontrei Meu Eterno Anjo.


O Encontro dos Anjos-Na Luz da Aurora (Parte II)




Pelos vales das sombras estava a caminhar, em meu adito refletir sobre marcas de um tempo que ainda não findou cabeça curvada, olho para baixo expondo-me de forma tão singela. Esquecendo-me de tudo, mostrando meus defeitos, até que... Sinto um toque, ouço uma voz... Levanto meus olhos... Contemplei a beleza daquela que me faz sorrir (creio que neste dia o Criador estava mais inspirado que os demais) senti o seu perfume de rosas silvestres, do qual desde aquela noite que a reencontrei não esqueci da fragrância, olhou em meus olhos, tocou minha face, trouxe-me de volta a vontade de viver, suspirei, mas não foi o último.
Daquela b ela criatura recebi a adoração não merecida e foi ela quem descobriu a perfeição que nunca tive, meus momentos tornaram-se sublimes e meus sonhos esquecidos se revelaram de uma forma abrasadora, deixamos que a chuva inundasse nossas almas, não nos importamos com nada, apenas desfrutamos do momento, o nosso momento.
Sua voz que é mais suave que a mais bela das sinfonias que homem algum ousou tocar.
Passamos mais uma noite juntos, nos sentido, velando e revelando os nossos segredos, tiramos nossas... Máscaras e pudemos ver-nos como realmente somos... Frágeis, necessitados um do outro.
Mas na luz da aurora ela iria embora e mais uma vez chorei e ela também e disse-me: "Tenho que ir, tente olhar para frente, mas sentirei sua falta” e disse mais: ”Voltarei e juntos passearemos pelo jardim, te amo meu menino, meu anjo”. Calei-me e dei o ósculo da despedida, segurei sua mão e vi uma lágrima que rolava em seu rosto, ela se foi, gritei seu nome... Mas não houve resposta, triste silenciei-me, só me resta esperar a volta daquela que me faz sorrir... E ela virá tenho certeza!


O Encontro dos Anjos-Passeio no Jardim (Parte III)


Estou só mais uma vez quieto, pensando na Dama dos meus Sonhos, em uma noite fria sem estrelas no céu, de lá somente chuva... O frio invade meu peito, sinto - me solitário... Passos rápidos... Voz... É ela... Ela... A Dama dos meus Sonhos... Aproximou-se de mim, abraçou-me e perguntou: ”Onde você estava meu amor? Estava sempre pensando em você”. Ela falou. ”Eu estava à tua espera meu anjo”, disse eu,tinha certeza que voltaria,clamei a Deus para que esse dia (ou noite), você voltasse e agradeço-O por você está aqui... Passeamos pelo jardim como outrora ela prometera, vagamos pela noite...
 Sob a chuva, segurando em minha mão falou ao meu ouvido: ”Adoraria adormecer em seus braços agora, és o que desejo”. Dois amantes, apenas crianças procurando abrigo, frágeis, buscando segurança e força... ”Senti muito sua falta”, eu disse, ela pôs o dedo nos meus lábios, pedindo-me para calar-me, obedeci a tal mandamento, calei-me, deitei-me sobre a relva, ela em meus braços, beijou-me os lábios, saciou-me os desejos, nos sentimos livres como pássaros voando no céu azul, seus olhos brilhavam e pude ver a mim neles, o tempo passou em um piscar de olhos nada pude entender e na verdade nem quis entender, mas o que queria mesmo era passar a noite, aquela noite com meu anjo, pois não sabia e ficaria ou iria embora mais uma vez, não estava seguro quanto a isto, despertou e disse: ”Agora tenho que ir, mas ainda voltarei e logo”, levantei-me e dei um beijo naqueles lábios e disse: ”Estarei à tua espera”,nos despedimos encurtando a dor da separação,ela se foi,mas passando um período de tempo recebo uma carta trazida por um pombo branco,e vi que era dela e nesta estava escrito:”Olá meu anjo,está tudo bem?,um grande beijo em você,te amo,gostaria que estivesse aqui agora em meus braços,estou com você à todo o momento e chegará o momento que ficaremos junto para sempre,te amo muito ,meu guardião,estou pensando em ti,beijos doce e singelos pra você meu querido”.Agora só me resta esperar o retorno daquela que me faz sorrir e podermos ficar juntos como prometeu...

O Encontro dos Anjos-Magnificência Insofismável (Parte IV)



E o vidro do espelho estava embaçado, não pude me ver, a minha imagem desfigurada exibia o estado da minh’alma. Andava a vagar a noite, pela primeira vez com estrelas no céu, o canto do pássaro noturno fez-me lembrar de algo que jamais esqueci... O anjo da minha noite, a Dama dos meus sonhos. Aquela que me faz sorrir... Indago, como ela está?. Pergunto-me, onde se encontra? Meus pensamentos hipérboles, posso ouvir a nênia, minha canção de exílio, a sua voz a me chamar, mas apenas são ecos dos ventos gélidos que transpassam meu coração...Será que ela continua pensando em mim?Questiono... Sua negridão e escuridade me trazem força... Sinto paz sinto sua falta, sinto-me só a cada noite que passa leio e releio aquela carta trazida pelo pombo branco, grito seu nome ao vento, tola tentativa dela escutar minha voz... Enquanto caminhava um cão atravessava meus passos, olhou-me e acho que pôde ver a minha tristeza ansiosa, dessa vez não havia lua... Perdido no mundo, sozinho na estrada, preso a aquela imagem monumental, aquela magnificência insofismável... Lembro de suas palavras insignes, era uma declaração, queria revivenciar os nossos momentos, Único!.Às vezes sinto-me misantrópico, sozinho em meu adito, lembro-me de ti, do teu vestido branco, dos teus lábios, daqueles beijos doces, meu anjo!Oh! Deus onde está meu anjo?Traga-me de volta!Hoje o jardim no qual passeávamos está devoluto, sem tua presença todas as flores murcharam... Ela disse-me que logo voltaria... Atravesso o lago enquanto espero sobre as escuras águas, incógnito... Quando irei te ver novamente? Eu penso indubitavelmente sinto-a dentro de mim Oh!Meu anjo, Dama dos meus sonhos inimagináveis, Senhora dos meus desejos... Aguardo-te!
Prometeste-me, volte... Para adormecer em teus braços e inebriar-me com teus doces beijos...



O Encontro dos Anjos- Palavras da Dama dos Sonhos (Parte V)

O tédio importuna, mortificando minha alma, muito tempo faz que vejo meu anjo, nostálgica esperança,essa intensa solidão que habita no mais profundo do meu ser, como choro!Lágrimas que regam a minha alma, inerme lembro - me de nossos encontros , lembro de nossos passeios , lembro de nossas noites...nossos momentos.Neste momento estamos distantes, a névoa tenta inibir minha visão, a tristeza atormentante, vivendo um pandemônio, onde está você meu amor?, Meu garoto! Meu anjo sinto tua falta! Todas as noites sinto teu cheiro que deixastes em mim!Aquela noite que nos reencontramos, doces palavras que a mim falastes, em ti encontrei a esperança e a vontade de amar novamente, estou indo ao teu encontro para passarmos mais uma noite e uma vida inteira juntos, como a ti prometi, meu amor!Ah! Como gostaria adormecer em teus braços mais uma vez, Meu Senhor traga-me de volta meu anjo, leva-me ao seu encontro!Súplicas faço a Ti.
Você me dá alegria, sinto falta de teus braços, abraços e beijos, teus lábios, ouço a tempestade, raios e trovões, vejo como minha alma se sente desesperada com a tua falta, somos muito inerentes, ligação de almas, tento sobreviver para poder viver contigo, lamento as vezes que te deixei só, eu sei também chorei imensuravelmente, sem ti vivo em estado mórbido, as trevas me cobrem, vou ao teu encontro, vejo-te em meus sonhos, pensamentos, procuro palavras para descrever o quanto tu meu menino significa pra mim, desejo a tua indeição, pois fiquei tanto tempo distante, inexorável sentimento é a tristeza, vago a noite, caminhando solitária como o coração cheio de esperança, minha mente conturbada, meus desejos insaciáveis, sigo teus passos, logo te acharei, pois sei onde se encontra, e o nosso conúbio há de se realizar, chore meu anjo, abrace-me meu menino, pois sou a Dama dos teus sonhos, vamos nos expor, te toco mesmo distante, estarei contigo logo inebriar-nos em nossos beijos, ouvi a tua voz quando gritastes os ventos trouxeram até a mim, logo estarei contigo meu anjo, meu menino, te amo!



O Encontro dos Anjos - O Encontro dos Anjos (Ultima Parte)



Quebraram-se os vitrais, todos despedaçados ao chão, nada mudou, aquela mesma espera, outra noite, outro encontro?Sinto falta daquelas mãos... Dos beijos da minha amada, onde será que ela está? Será que voltará?
Ela me prometeu... A angústia invade o meu peito, que já estava à sua espera com as portas abertas, ainda só, quieto e mórbido, com esperanças...
Temo esse novo encontro, pois tenho medo que o meu anjo vá embora mais uma vez, o que me incomoda é essa demora, o meu anseio, lembro-me de todos os nossos momentos juntos, me recordo de cada mínimo detalhe, seu rosto, aqueles olhos, seus cabelos negros.
Mas ainda me pergunto, por que ela iria embora, porque sempre me deixava e sempre voltava... Mas acho que foi a última vez...
Ah! Que tédio! Não agüento mais viver assim nesta espera, mas louco sou eu que fico a esperar.
Meus sonhos e pensamentos, razões e emoções descontrolados está tudo sem sentido, será que houve o encontro dos anjos? E a Dama? O Anjo?
Tudo está tão confuso!
Mas pra onde ela foi? Ah! Tantas perguntas, muitos “porquês”... Minha mente está conturbada, mas eu senti os seus beijos, seus toques, lembro daquela face de criança, mas... O que será de mim? Não há respostas... Será que isso tudo não foi apenas um sonho?
Cortarei meus pulsos... Daí chorarei.
Oh! Amada minha, Dama dos meus sonhos, onde você está Senhora dos desejos?
Mas não resta mais nada... Não há alma, não há Dama, não há Senhora, não há encontro, não há lágrimas, não há anjo, não há nada...
Nem mesmo eu...




 


1 comentários:

Carolli Márol disse...

amores intensos e inacabados. Muito bom!